Pular para o conteúdo principal

Wu-Wei - A Verdadeira Ação

Um dos conceitos marcantes da filosofia do Dào de Lao Zi é o Wu-Wei (无为), traduzido como não-ação, ação sem intenção ou ação espiritual. Significa abster-se de agir por interesses egoístas para agir em uníssono com a natureza. É a atitude do dia-a-dia impulsionada pela sabedoria intuitiva, sem interferência da mente discriminatória.

Na sociedade, somos movidos a nos destacarmos dos demais, conquistarmos um padrão elevado, enquadrarmos aos costumes convencionais, consumirmos produtos luxuosos e tantas outras ações impregnadas pela impulsividade inconsciente. Incorpora-se desejos que não são mais do que a mente ilusória querendo buscar no exterior algo para suprir uma insatisfação interior. Insatisfação essa que não é inata, mas nascida da falta de discernimento. Essa é a ação do ego, produto da mente, e não uma ação pura e natural.

Se abandonarmos a mente dominadora e nos libertarmos dos desejos supérfluos do ego, o que nos move? Simplesmente acontece! Sem a ideia de um "eu" separado do todo, nos unimos à natureza e o que nos move então é a mesma força que balança as folhas das árvores e as faz dançar ao ritmo da existência. Somos movidos pelo sopro de vida. Enquanto a soberania da mente nos torna robôs automáticos, o Wu-Wei nos torna singelos, pois a verdadeira força motriz é natural e seu fluxo é harmonioso. Chove quando é hora de chover e venta quando é hora de ventar. Assim se tornam as nossas ações: simples e naturais.

Wu-Wei não é Comodismo

Não se deve confundir "não-ação" com negligência. A natureza age pela não-ação. Um tigre caça a sua presa porque é de sua natureza caçar; essa é a sua não-ação. É natural haver uma força que nos impulsiona a alcançar nossos objetivos. Se por preguiça ou comodismo deixamos de ir atrás, então o ego está agindo e deixa de ser wu-wei. A questão é fazer as coisas sem apego e sem artificialidade, aceitando o curso natural da ação.

Não há fórmulas para descobrir se devemos ou não agir. Na verdade, só existe "dever" na mente, que tenta interferir nos processos naturais. A não-ação é algo intuitivo e espontâneo, então quanto mais natural o comportamento, mais perto está da não-ação. Essa naturalidade e espontaneidade é o que muitos espiritualistas chamam de agir com o coração. Quando agimos com o coração, agimos em harmonia com o Universo e, portanto, no momento adequado. O que acontece é que muitas vezes achamos que agimos com o coração quando na verdade é a mente passional que está agindo. É comum confundir a paixão da mente com o amor do coração. Agir com o coração livre não cria expectativas, portanto o que acontecer a partir disso passa a ser aceito naturalmente. Do ponto de vista da totalidade, não há frustração.

Fazemos parte da natureza e as nossas ações trazem consequências positivas ou negativas para nós mesmos e para o meio. Temos autonomia para usarmos o nosso livre-arbítrio, mas para que o resultado seja positivo, é preciso que seja consciente. O importante de nossas ações é que possamos nos sentir em paz e felizes com nós mesmos. Quanto mais ampliamos a percepção da nossa realidade, mais nos sentimos conectados com o todo. Consequentemente, o que beneficia o mundo beneficia a nós mesmos. Pode até parecer utópico e ingênuo, mas é o que acontece quando a consciência se torna integrada. Não existe nenhum mal além do que criamos em nossas mentes e nenhuma ação que supere a virtude da não-ação.

Marco Moura

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Encontrando o Eu Real

As respostas para todas as incógnitas de nossa existência não podem estar em outro lugar senão em nós mesmos - assim afirmam os grandes mestres da humanidade. Buscamos incessantemente soluções para as nossas aflições, mas enquanto não compreendemos a nós mesmos, todo o nosso esforço é em vão. E o que acontece na tentativa de olharmos para nós mesmos? Quais os desafios que encontramos diante da busca do despertar, diante da meditação?

Em primeiro lugar, o que significa olhar para si mesmo? Em nossa experiência, é a constatação de que em nossas mentes estão presentes emoções e pensamentos tanto agradáveis como desagradáveis; de que carregamos verdades pessoais e coletivas derivadas do nosso próprio discernimento ou aprendidas de fontes externas. A mente é um gerador de emoções e ideias. Ao seguirmos com essa observação, constatamos que na mente existe uma versão própria da realidade e que dentro dela, está nossa auto-identidade. Aquilo que eu sou, que chamo de eu, está inserido na realid…

Metta, o incondicional

Pela lei de causa e efeito, podemos reconhecer claramente o mal que criamos em nossas vidas e em nosso entorno; o sofrimento que criamos em nós mesmos e em nosso meio devido ao egoismo. Sabemos muito bem que o egoismo é o ingrediente da maldade e do sofrimento, pois faz gerar a cobiça e o ódio, forças capazes de nos fazer perder o bom senso e ferir aos outros. Admitindo esse polo do fato, fica fácil reconhecer que a prática do desapego, da tolerância, da amorosidade e da compaixão pode nos levar ao polo oposto do não-egoismo e, portanto, da liberdade e do bem estar. Com Metta (amor benevolente), podemos criar um ambiente de felicidade. Com o mínimo de clareza mental, reconhecemos tudo isso facilmente... Reconhecemos teoricamente. Faz todo o sentido, mas parece uma utopia. Não faz parte da realidade. Olhamos para nós mesmos e sabemos que somos interesseiros, astutos, maldosos, que não somos tão dignos assim. Amor incondicional passa longe de ser algo praticável. Sim, nosso sofrimento,…

Vida Zen

Para o Zen, tudo se reduz a um grande vazio. É um modo intrigante de encarar a vida: não há eu, não há vida nem morte, nem tempo, nem espaço, nem nada! Não há lugar para conceito algum! O Zen é cru, pois aponta a verdade final e não se importa com intermediários. Deus, alma, inferno: todos esses conceitos são vistos como secundários e até supérfluos dentro do Zen. Nada do que é mundano ou do que é essencialmente metafísico é considerado como tendo uma essência, nada é absoluto.

Apesar da aparente falta de consideração para com o mundo, o Zen dá valor ao que há de mais simples na vida: sentir o cheiro de uma flor, brincar com as crianças, varrer o quintal, comer, respirar, qualquer coisa. O sagrado está nos pequenos atos e não apenas em rezar, ir à igreja ou ler uma escritura santa. O segredo está em não fazer por fazer, e sim em se integrar ao fazer. Tudo o que é feito com atenção e carinho está no Zen.

O verdadeiro viver é deixar-se fluir no mundo sem egoísmo, sendo um veículo da for…