Pular para o conteúdo principal

Personalidades dos Cinco Elementos

Cada indivíduo apresenta traços pessoais que podem se relacionar a um ou a vários dos cinco elementos. As características predominantes de determinado elemento podem se expressar na personalidade constitucional ou, como tudo é cíclico, podem estar presentes em uma fase da vida. De acordo com o direcionamento que a pessoa dá a essas tendências, poderá manifestar com maior facilidade os padrões de desequilíbrio apresentados a seguir. Dentro de cada elemento, a pessoa pode ter características mais Yin (introvertidas) ou Yang (extrovertidas).

MADEIRA: em equilíbrio, a pessoa é criativa, tem boa visão e planejamento da vida, sendo guiada pela sua intuição. Tem boa percepção de até onde pode ir e tem facilidade em contornar os obstáculos com flexibilidade. Em desequilíbrio, ela pode ser muito irritada, ansiosa e impulsiva. Pode ao contrário, ser tímida e insegura.

Madeira Yin: O indivíduo não tem uma visão clara de si mesmo e de seu potencial. Ele paira na incerteza e manifesta insegurança, timidez e nervosismo. A energia Madeira busca a expansão, mas como o indivíduo não se sente capaz de direcioná-la, ocorrem tensão e frustração.
Analogia: Uma árvore insegura de si cresce e se expande receosa. Não sabe se seus galhos encontrarão fios de alta tensão e se é capaz de desviar dos mesmos, então tenta refrear sua expansão.

Madeira Yang: A energia de expansão é forte, mas o indivíduo é afoito e imediatista demais para organizar com calma e planejar seus atos. Ele reconhece que tem potencial, então age por impulso. Qualquer bloqueio é enfrentado de forma agressiva e enérgica.
Analogia: A árvore sente o impulso da vida para crescer e o faz de modo a não considerar o seu ambiente. Se suas raízes encontrarem cimento, irá quebrá-los; se tiver algum bloqueio impedindo sua expansão, irá forçá-lo.

FOGO: a pessoa de fogo tende a ser muito alegre, gosta de estar com outras pessoas, é envolvente e contagiante. Se não se controlar, ela fica eufórica, fala demais e têm muitas manias. Seu aspecto oposto é a tristeza apática e isolamento.

Fogo Yin: O indivíduo não saboreia a vida, vive apático, sério e infeliz. Desdenha os prazeres e vive recluso.
Analogia: Uma chama acesa em meio à lenha úmida, sem motivação para continuar queimando. Seu fogo é muito fraco para secar a lenha.

Fogo Yang: Há excesso nos prazeres, queimando as reservas. A euforia impossibilita a responsabilidade e a fixação numa tarefa, fazendo o indivíduo partir sempre para outra.
Analogia: Um incêndio na mata, espalhando-se em todas as direções, consumindo o mato e fazendo o fogo prevalecer.

TERRA: representa a nutrição, portanto a pessoa de Terra gosta de cuidar dos outros, é gentil, compassiva e tende a ser muito pensativa. Desequilibrada, é muito preocupada e manipuladora.

Terra Yin: A pessoa procura ser agradável e simpática, ajudando mais do que pode. Pensa muito nos outros e não se defende, sendo alvo de aproveitadores.
Analogia: Um terreno de terra pouco fértil, incapaz de fornecer nutrientes para um bom plantio. Essa terra preocupa-se em acolher as sementes, que absorvem do solo o pouco do nutriente que tem.

Terra Yang: A pessoa preocupa-se muito com os outros e quer tomar conta deles. Tolera os outros, pois quer parecer simpática e impor-se como alguém necessário.
Analogia: Um terreno de terra fértil, que precisa de plantações para ser útil. Preocupa-se em nutrir bem as plantas para que elas tornem-se apegadas ao solo e nunca a deixe.

METAL: em equilíbrio, a pessoa forma vínculos com facilidade e sabe selecionar o que é bom ou não para si. O desequilíbrio torna a pessoa muito seletiva, apegada ao passado e triste, não sabendo lidar com perdas.

Metal Yin: A pessoa é econômica, isolada, triste e sem motivação. Tem dificuldade de encarar as perdas e ganhos da vida, então evita contatos sociais e guarda seus sentimentos.
Analogia: Um mineral formado num rio que hoje está seco e cujo solo adquiriu novas características. Recusando a adaptar-se aos novos tempos, o mineral vive em memória do rio que se foi.

Metal Yang: Pessoa egocêntrica, orgulhosa de si e autoritária. Tem o seu modo rígido de pensar e se acha auto-suficiente. Não admite que precisa de quem já rejeitou e com essa frieza, é atacada pela depressão. Valoriza o que tem e não lida bem com perdas.
Analogia: Um mineral puro e raro, muito seletivo ao agrupar moléculas para o seu crescimento: escolhe somente as que lhe pareçam puras, guarda-as com muita segurança e recusa as outras que lhe confeririam características mais variadas.

ÁGUA: a pessoa tem bom contato consigo mesma, flui com as situações e adapta-se com facilidade, sem necessidade de provar a si mesma. Tem força de vontade e determinação. Desequilibrada, é muito medrosa e prefere a solidão.

Água Yin: Indivíduo preguiçoso, não enfrenta a vida. Por falta de coragem e vontade, se acomoda. Como não vive de forma prática, refugia-se nos sonhos.
Analogia: Um homem que vive numa ilha no meio do mar. Não tem disposição nem vontade para tentar chegar a outro local. Acomoda-se na sua situação e vive de fantasias.

Água Yang: Pessoa determinada, que se arrisca mesmo com medo. Se desgasta em busca de seus objetivos, não se cuida o suficiente. Tem pavor do próprio medo, então foge dele e vai para a batalha mesmo despreparada.
Analogia: A água do mar, perturbada pelo deslocamento do solo, mostra a sua força através de um tsunami descontrolado. Após isso, suas águas tornam-se agitadas (yang), o que dificulta a suavidade e a paz (yin).

Marco Moura

Comentários

alexandre disse…
MUITO BOM,PARABÉNS!
CONTINUE NOS PRESTIGIANDO COM SEU ENORME CONHECIMENTO,UM ABRAÇO DE SEU ADMIRADOR!
ALEXANDRE AUGUSTO.

Postagens mais visitadas deste blog

Encontrando o Eu Real

As respostas para todas as incógnitas de nossa existência não podem estar em outro lugar senão em nós mesmos - assim afirmam os grandes mestres da humanidade. Buscamos incessantemente soluções para as nossas aflições, mas enquanto não compreendemos a nós mesmos, todo o nosso esforço é em vão. E o que acontece na tentativa de olharmos para nós mesmos? Quais os desafios que encontramos diante da busca do despertar, diante da meditação?

Em primeiro lugar, o que significa olhar para si mesmo? Em nossa experiência, é a constatação de que em nossas mentes estão presentes emoções e pensamentos tanto agradáveis como desagradáveis; de que carregamos verdades pessoais e coletivas derivadas do nosso próprio discernimento ou aprendidas de fontes externas. A mente é um gerador de emoções e ideias. Ao seguirmos com essa observação, constatamos que na mente existe uma versão própria da realidade e que dentro dela, está nossa auto-identidade. Aquilo que eu sou, que chamo de eu, está inserido na realid…

Metta, o incondicional

Pela lei de causa e efeito, podemos reconhecer claramente o mal que criamos em nossas vidas e em nosso entorno; o sofrimento que criamos em nós mesmos e em nosso meio devido ao egoismo. Sabemos muito bem que o egoismo é o ingrediente da maldade e do sofrimento, pois faz gerar a cobiça e o ódio, forças capazes de nos fazer perder o bom senso e ferir aos outros. Admitindo esse polo do fato, fica fácil reconhecer que a prática do desapego, da tolerância, da amorosidade e da compaixão pode nos levar ao polo oposto do não-egoismo e, portanto, da liberdade e do bem estar. Com Metta (amor benevolente), podemos criar um ambiente de felicidade. Com o mínimo de clareza mental, reconhecemos tudo isso facilmente... Reconhecemos teoricamente. Faz todo o sentido, mas parece uma utopia. Não faz parte da realidade. Olhamos para nós mesmos e sabemos que somos interesseiros, astutos, maldosos, que não somos tão dignos assim. Amor incondicional passa longe de ser algo praticável. Sim, nosso sofrimento,…

Vida Zen

Para o Zen, tudo se reduz a um grande vazio. É um modo intrigante de encarar a vida: não há eu, não há vida nem morte, nem tempo, nem espaço, nem nada! Não há lugar para conceito algum! O Zen é cru, pois aponta a verdade final e não se importa com intermediários. Deus, alma, inferno: todos esses conceitos são vistos como secundários e até supérfluos dentro do Zen. Nada do que é mundano ou do que é essencialmente metafísico é considerado como tendo uma essência, nada é absoluto.

Apesar da aparente falta de consideração para com o mundo, o Zen dá valor ao que há de mais simples na vida: sentir o cheiro de uma flor, brincar com as crianças, varrer o quintal, comer, respirar, qualquer coisa. O sagrado está nos pequenos atos e não apenas em rezar, ir à igreja ou ler uma escritura santa. O segredo está em não fazer por fazer, e sim em se integrar ao fazer. Tudo o que é feito com atenção e carinho está no Zen.

O verdadeiro viver é deixar-se fluir no mundo sem egoísmo, sendo um veículo da for…