Pular para o conteúdo principal

Terapia de Buda

Sidharta Gautama, antes de tornar-se um Buda (Iluminado), teve um propósito firme na vida: encontrar a libertação da roda do sofrimento que, vida após vida, é própria de todas as pessoas. Ele vivenciou diversos métodos de ascenção espiritual até descobrir que o segredo estava no caminho do meio - nem muito rígido, nem muito frouxo. Após sua Iluminação, Buda apontou 4 nobres verdades que se tornariam mais tarde a base do budismo. São elas:
1- Verdade do sofrimento.
Fala de como a insatisfação faz parte da condição humana.
2- Verdade da causa do sofrimento.
Revela que a causa do sofrimento é o apego a uma visão ilusória de mundo, que por não corresponder à realidade, nos causa insatisfação.
3- Verdade da extinção da causa do sofrimento.
Livrando-se do apego, enxergamos com naturalidade os fenômenos da vida. Dessa forma, nos tornamos livres do sofrimento causado pela ignorância.
4- Verdade da senda que leva à extinção do sofrimento.
Há um caminho de libertação que é o caminho do meio, longe dos extremos.

Buda ensinou algo muito simples, mas cuja importância é fundamental para todos. Ele revelou como se libertar do sofrimento e das aflições humanas. Qualquer drama psicológico pode ser resolvido quando assumimos as nossas próprias rédeas e nos tornamos os responsáveis pela nossa plenitude. Faço uma interpretação prática de seus ensinamentos aplicados ao envolvimento da mente com o exterior. A meta é passar de reativo (que dá respostas condicionadas e age de modo inconsciente) para pró-ativo (um agente evolutivo e criativo).

1 - Reconhecer o sofrimento.
Reconhecer e admitir o conflito interior é o primeiro passo. Para algo ser resolvido, deve ser antes de tudo reconhecido.
2 - Assumir a dependência.
Perceba que o conflito existe por relacionar o desejo insatisfeito a um agente ou situação externa. Se você entrega a alguém de fora o poder sobre a sua felicidade, a frustração é certa, pois nada nem ninguém é estático. Antes de culpar os outros ou as condições, volte o olhar a si mesmo e perceba como os seus processos mentais são dependentes do meio externo. Embora não possamos mudar certas coisas que nos acontecem, sempre podemos transformar a nossa forma de lidar com isso.
3 - Contemplar a independência.
O conflito se extingue quando você se torna pleno por si mesmo. Reconheça que a realização é interior e que, portanto, não faz sentido projetar cegamente as expectativas no exterior. Liberte-se da sua antiga maneira de pensar.
4 - Declarar independência.
O caminho para a auto-realização consiste no propósito sincero em ser a fonte da própria plenitude a partir do exato momento. Assumir a responsabilidade por si mesmo e firmar o compromisso de ser livre e pleno. Transforme a sua realidade praticando o caminho do meio no dia-a-dia.

O "caminho do meio" ou "o nobre caminho óctuplo" consiste em correções conscientes em: pensamentos, palavras, ações e meio-de-vida; em aprimorar a plena-atenção, compreensão, esforço e concentração. Trata-se de uma disciplina para levar a vida com bom-senso e moderação.

Marco Moura

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Encontrando o Eu Real

As respostas para todas as incógnitas de nossa existência não podem estar em outro lugar senão em nós mesmos - assim afirmam os grandes mestres da humanidade. Buscamos incessantemente soluções para as nossas aflições, mas enquanto não compreendemos a nós mesmos, todo o nosso esforço é em vão. E o que acontece na tentativa de olharmos para nós mesmos? Quais os desafios que encontramos diante da busca do despertar, diante da meditação?

Em primeiro lugar, o que significa olhar para si mesmo? Em nossa experiência, é a constatação de que em nossas mentes estão presentes emoções e pensamentos tanto agradáveis como desagradáveis; de que carregamos verdades pessoais e coletivas derivadas do nosso próprio discernimento ou aprendidas de fontes externas. A mente é um gerador de emoções e ideias. Ao seguirmos com essa observação, constatamos que na mente existe uma versão própria da realidade e que dentro dela, está nossa auto-identidade. Aquilo que eu sou, que chamo de eu, está inserido na realid…

Metta, o incondicional

Pela lei de causa e efeito, podemos reconhecer claramente o mal que criamos em nossas vidas e em nosso entorno; o sofrimento que criamos em nós mesmos e em nosso meio devido ao egoismo. Sabemos muito bem que o egoismo é o ingrediente da maldade e do sofrimento, pois faz gerar a cobiça e o ódio, forças capazes de nos fazer perder o bom senso e ferir aos outros. Admitindo esse polo do fato, fica fácil reconhecer que a prática do desapego, da tolerância, da amorosidade e da compaixão pode nos levar ao polo oposto do não-egoismo e, portanto, da liberdade e do bem estar. Com Metta (amor benevolente), podemos criar um ambiente de felicidade. Com o mínimo de clareza mental, reconhecemos tudo isso facilmente... Reconhecemos teoricamente. Faz todo o sentido, mas parece uma utopia. Não faz parte da realidade. Olhamos para nós mesmos e sabemos que somos interesseiros, astutos, maldosos, que não somos tão dignos assim. Amor incondicional passa longe de ser algo praticável. Sim, nosso sofrimento,…

Por que treinar Kung Fu?

Nos dias atuais, por mais habilidoso que um praticante de arte marcial seja, ele se torna impotente diante de uma arma de fogo. Além disso, vivemos um momento onde a violência impera em nossa sociedade, que tem se tornado cada vez mais intolerante e agressiva. Todos estão fartos de brigas e conflitos! Qual o sentido de se praticar uma arte marcial como o Kung Fu, então? Para responder a essa questão, precisamos olhar mais a fundo para o contexto que envolve essa arte milenar. Nenhum registro é preciso o bastante para indicar a origem do Kung Fu, embora se saiba da existência de técnicas de defesa pessoal na China datadas de mais de 3000 anos. Sabe-se também que ao ser incorporado no Templo Shaolin, o Kung Fu foi influenciado por técnicas meditativas, de mobilização da energia vital (qi gong) e de auto-disciplina praticadas pelos monges budistas do Templo. Em outras palavras, o Kung Fu tem um rico histórico cultural, uma tradição que atravessa dinastias e tem muito de sua filosofia pr…