Pular para o conteúdo principal

Terapia de Buda

Sidharta Gautama, antes de tornar-se um Buda (Iluminado), teve um propósito firme na vida: encontrar a libertação da roda do sofrimento que, vida após vida, é própria de todas as pessoas. Ele vivenciou diversos métodos de ascenção espiritual até descobrir que o segredo estava no caminho do meio - nem muito rígido, nem muito frouxo. Após sua Iluminação, Buda apontou 4 nobres verdades que se tornariam mais tarde a base do budismo. São elas:
1- Verdade do sofrimento.
Fala de como a insatisfação faz parte da condição humana.
2- Verdade da causa do sofrimento.
Revela que a causa do sofrimento é o apego a uma visão ilusória de mundo, que por não corresponder à realidade, nos causa insatisfação.
3- Verdade da extinção da causa do sofrimento.
Livrando-se do apego, enxergamos com naturalidade os fenômenos da vida. Dessa forma, nos tornamos livres do sofrimento causado pela ignorância.
4- Verdade da senda que leva à extinção do sofrimento.
Há um caminho de libertação que é o caminho do meio, longe dos extremos.

Buda ensinou algo muito simples, mas cuja importância é fundamental para todos. Ele revelou como se libertar do sofrimento e das aflições humanas. Qualquer drama psicológico pode ser resolvido quando assumimos as nossas próprias rédeas e nos tornamos os responsáveis pela nossa plenitude. Faço uma interpretação prática de seus ensinamentos aplicados ao envolvimento da mente com o exterior. A meta é passar de reativo (que dá respostas condicionadas e age de modo inconsciente) para pró-ativo (um agente evolutivo e criativo).

1 - Reconhecer o sofrimento.
Reconhecer e admitir o conflito interior é o primeiro passo. Para algo ser resolvido, deve ser antes de tudo reconhecido.
2 - Assumir a dependência.
Perceba que o conflito existe por relacionar o desejo insatisfeito a um agente ou situação externa. Se você entrega a alguém de fora o poder sobre a sua felicidade, a frustração é certa, pois nada nem ninguém é estático. Antes de culpar os outros ou as condições, volte o olhar a si mesmo e perceba como os seus processos mentais são dependentes do meio externo. Embora não possamos mudar certas coisas que nos acontecem, sempre podemos transformar a nossa forma de lidar com isso.
3 - Contemplar a independência.
O conflito se extingue quando você se torna pleno por si mesmo. Reconheça que a realização é interior e que, portanto, não faz sentido projetar cegamente as expectativas no exterior. Liberte-se da sua antiga maneira de pensar.
4 - Declarar independência.
O caminho para a auto-realização consiste no propósito sincero em ser a fonte da própria plenitude a partir do exato momento. Assumir a responsabilidade por si mesmo e firmar o compromisso de ser livre e pleno. Transforme a sua realidade praticando o caminho do meio no dia-a-dia.

O "caminho do meio" ou "o nobre caminho óctuplo" consiste em correções conscientes em: pensamentos, palavras, ações e meio-de-vida; em aprimorar a plena-atenção, compreensão, esforço e concentração. Trata-se de uma disciplina para levar a vida com bom-senso e moderação.

Marco Moura

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os cinco elementos

Na natureza, nada é estático: tudo segue em constante mutação interagindo entre si. Isso é percebido nos ciclos climáticos e sazonais, em cada traço de um indivíduo ou fenômeno no Universo. Para haver equilíbrio, o ciclo natural é inteligente e ordenado, tendo em cada estágio algumas propriedades e funções específicas. Os antigos chineses observaram a natureza e, a fim de aplicar o mesmo princípio para a harmonia do homem, estudaram os fenômenos classificando-os em cinco fases, ou cinco elementos.

Os cinco elementos também são chamados de cinco movimentos, pois mais do que elementos físicos, eles representam fases do fluxo da natureza. Por exemplo, o elemento Fogo representa o verão, tem característica de calor e segue após a primavera. No homem, o Fogo é a alegria; em seus órgãos, o coração e assim por diante. A seqüência dos cinco elementos segue uma ordem chamada ciclo de geração (sheng): madeira, fogo, terra, metal e água. Cada elemento gera e alimenta o seguinte, representando …

Meditando como um Meditador

Quantos daqueles que se dispõem a praticar meditação diariamente conseguem levar essa disciplina adiante? As desculpas são muitas e, de certo modo, até convincentes. Não é que as dificuldades sejam invenções, a questão é darmos mais força às dificuldades do que à prática diligente. A meditação desafia nossos padrões habituais, então é natural que precisemos nos empenhar. Muito do fracasso inicial se deve, sem dúvida, a não incorporarmos no dia-a-dia uma atitude propícia para a meditação e a não realizarmos os ajustes necessários para uma prática a longo prazo. Como assim?

Antes de mais nada, de que se trata a meditação? É um treinamento mental, correto? Uma pergunta: com essa prática, tornamos a mente mais ativa ou mais passiva? Ela trabalha mais ou trabalha menos? Gera mais ou menos pensamentos?

Consensualmente, sabemos que a ideia é que a meditação deve diminuir nossos pensamentos, logo, ela estaria diminuindo nossa atividade mental. Coerente, mas incorreto. Um dado científico: em p…

A mente cria a realidade?

A maioria de nós se vê em um cenário onde é inegável o impacto do mundo exterior na vida das pessoas, sejam exigências profissionais, competitividade, economia atribulada, compromissos difíceis de serem cumpridos, etc. Olhando o mundo ao nosso redor, vemos caos por todo lugar e a pressão sobre nós é palpável. Talvez seja difícil acreditar que a mente cria a nossa realidade, mas é isso o que nos é revelado à medida que nos tornamos mais conscientes. O mundo está sendo moldado pelas nossas mentes.

Começando do básico no que se refere ao poder da mente, sabemos pelo menos que a mente rege o nosso corpo. Tanto movimentos voluntários quanto autônomos são impulsionados pelo sistema nervoso, pelo cérebro. A mente rege o cérebro. Todo o conhecimento que o cérebro registra vem dos impulsos elétricos acionados pelos nossos órgãos sensoriais e ganha sua significação na mente. Ou seja, todo o conhecimento que temos é uma interpretação mental das nossas experiências sensoriais. O corpo é o veículo…