Pular para o conteúdo principal

Termos Taoístas

DAO (Tao)

A filosofia chinesa fundamenta-se no Dao como a origem do Universo. Pode ser entendido como o absoluto, o todo, o divino - a fonte que manifesta toda a existência. Ele não pode ser expresso em palavras, pois é infinito e está além de qualquer definição ou entendimento intelectual. Traduzido como "Caminho", é anterior mesmo ao Céu e à Terra. Por "Caminho", entende-se como a fonte sem princípio nem fim de onde tudo vem e para onde tudo vai; o vazio que preenche a existência com vida. No Caminho, nada está separado - o caminho, o caminhar e o caminhante são um só.

O Dao está em toda parte, mantendo o equilíbrio através das leis da natureza. Ele não pode ser sondado, mas sentido. Com simplicidade e naturalidade, nos conscientizamos de que o Dao não está distante - é a nossa própria natureza. Não precisamos procurar, basta abandonarmos as idéias que nos separam dele e nos fundirmos à nossa origem. No silêncio de nossas mentes, na simplicidade de nossos corações: lá está o Dao.

QI (Chi)

O Universo é um campo vasto formado por inúmeras galáxias, estrelas, planetas, organismos e substâncias. Tudo isso tem uma origem comum: é formado pelo Qì. A tradução literal de Qì é energia ou sopro vital, mas seu conceito amplo abrange desde energias invisíveis até substâncias densas, pois como a ciência de hoje afirma, energia e matéria são a mesma coisa, diferenciando-se apenas no grau de vibração. Quanto menor a vibração, mais densa e palpável ela é; quanto maior a vibração, mais sutil e etérea.

O Qì está no ar que respiramos, ativando o fluxo energético; no nosso alimento, nutrindo o organismo; está circulando ininterruptamente no nosso corpo, gerando a vida. Está em tudo! O equilíbrio do Qì no nosso corpo promove a saúde e o bem-estar. Em desequilíbrio, provoca doenças. As terapias orientais visam o fluxo harmonioso do Qì pelo organismo.

YIN YANG

O Dao se manifesta através da unidade (Tai Ji), que se polariza em Yin Yang. Tudo tem o seu lado Yin e o lado Yang, que são aspectos opostos, que se complementam e, unidos, formam um fenômeno. Yin denota a sombra, o feminino, o receptivo. Yang refere-se à luz, ao masculino e ativo. Conhecemos a nossa realidade através de nossa mente, cuja visão é subjetiva e parcial diante da verdade infinita, o Dao. Se vemos a frente (Yin), não podemos ver atrás (Yang), embora a parte de trás esteja lá. Se enquadramos a visão na parte de trás, a frente desaparece.

Como princípios da existência, Yin e Yang são relativos e só podem ser considerados Yin ou Yang a partir de um determinado ponto de vista. Por exemplo, um homem é considerado Yang se compararmos a sua natureza masculina com a feminina e Yin de uma mulher. No entanto, se o homem tiver uma personalidade calma e tranqüila, esse aspecto será Yin se comparado ao de uma mulher de personalidade agressiva, Yang.

Como o dia se transforma em noite, Yin e Yang estão em constante interação, sendo que o declínio de um resulta no engrandecimento do outro. Não há como separá-los, pois juntos, formam uma unidade. É exatamente pela existência do pólo oposto que um dos pólos existe. Não existe luz sem sombra, nem bom sem ruim.

Marco Moura

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Encontrando o Eu Real

As respostas para todas as incógnitas de nossa existência não podem estar em outro lugar senão em nós mesmos - assim afirmam os grandes mestres da humanidade. Buscamos incessantemente soluções para as nossas aflições, mas enquanto não compreendemos a nós mesmos, todo o nosso esforço é em vão. E o que acontece na tentativa de olharmos para nós mesmos? Quais os desafios que encontramos diante da busca do despertar, diante da meditação?

Em primeiro lugar, o que significa olhar para si mesmo? Em nossa experiência, é a constatação de que em nossas mentes estão presentes emoções e pensamentos tanto agradáveis como desagradáveis; de que carregamos verdades pessoais e coletivas derivadas do nosso próprio discernimento ou aprendidas de fontes externas. A mente é um gerador de emoções e ideias. Ao seguirmos com essa observação, constatamos que na mente existe uma versão própria da realidade e que dentro dela, está nossa auto-identidade. Aquilo que eu sou, que chamo de eu, está inserido na realid…

Metta, o incondicional

Pela lei de causa e efeito, podemos reconhecer claramente o mal que criamos em nossas vidas e em nosso entorno; o sofrimento que criamos em nós mesmos e em nosso meio devido ao egoismo. Sabemos muito bem que o egoismo é o ingrediente da maldade e do sofrimento, pois faz gerar a cobiça e o ódio, forças capazes de nos fazer perder o bom senso e ferir aos outros. Admitindo esse polo do fato, fica fácil reconhecer que a prática do desapego, da tolerância, da amorosidade e da compaixão pode nos levar ao polo oposto do não-egoismo e, portanto, da liberdade e do bem estar. Com Metta (amor benevolente), podemos criar um ambiente de felicidade. Com o mínimo de clareza mental, reconhecemos tudo isso facilmente... Reconhecemos teoricamente. Faz todo o sentido, mas parece uma utopia. Não faz parte da realidade. Olhamos para nós mesmos e sabemos que somos interesseiros, astutos, maldosos, que não somos tão dignos assim. Amor incondicional passa longe de ser algo praticável. Sim, nosso sofrimento,…

Vida Zen

Para o Zen, tudo se reduz a um grande vazio. É um modo intrigante de encarar a vida: não há eu, não há vida nem morte, nem tempo, nem espaço, nem nada! Não há lugar para conceito algum! O Zen é cru, pois aponta a verdade final e não se importa com intermediários. Deus, alma, inferno: todos esses conceitos são vistos como secundários e até supérfluos dentro do Zen. Nada do que é mundano ou do que é essencialmente metafísico é considerado como tendo uma essência, nada é absoluto.

Apesar da aparente falta de consideração para com o mundo, o Zen dá valor ao que há de mais simples na vida: sentir o cheiro de uma flor, brincar com as crianças, varrer o quintal, comer, respirar, qualquer coisa. O sagrado está nos pequenos atos e não apenas em rezar, ir à igreja ou ler uma escritura santa. O segredo está em não fazer por fazer, e sim em se integrar ao fazer. Tudo o que é feito com atenção e carinho está no Zen.

O verdadeiro viver é deixar-se fluir no mundo sem egoísmo, sendo um veículo da for…