Pular para o conteúdo principal

Termos Taoístas

DAO (Tao)

A filosofia chinesa fundamenta-se no Dao como a origem do Universo. Pode ser entendido como o absoluto, o todo, o divino - a fonte que manifesta toda a existência. Ele não pode ser expresso em palavras, pois é infinito e está além de qualquer definição ou entendimento intelectual. Traduzido como "Caminho", é anterior mesmo ao Céu e à Terra. Por "Caminho", entende-se como a fonte sem princípio nem fim de onde tudo vem e para onde tudo vai; o vazio que preenche a existência com vida. No Caminho, nada está separado - o caminho, o caminhar e o caminhante são um só.

O Dao está em toda parte, mantendo o equilíbrio através das leis da natureza. Ele não pode ser sondado, mas sentido. Com simplicidade e naturalidade, nos conscientizamos de que o Dao não está distante - é a nossa própria natureza. Não precisamos procurar, basta abandonarmos as idéias que nos separam dele e nos fundirmos à nossa origem. No silêncio de nossas mentes, na simplicidade de nossos corações: lá está o Dao.

QI (Chi)

O Universo é um campo vasto formado por inúmeras galáxias, estrelas, planetas, organismos e substâncias. Tudo isso tem uma origem comum: é formado pelo Qì. A tradução literal de Qì é energia ou sopro vital, mas seu conceito amplo abrange desde energias invisíveis até substâncias densas, pois como a ciência de hoje afirma, energia e matéria são a mesma coisa, diferenciando-se apenas no grau de vibração. Quanto menor a vibração, mais densa e palpável ela é; quanto maior a vibração, mais sutil e etérea.

O Qì está no ar que respiramos, ativando o fluxo energético; no nosso alimento, nutrindo o organismo; está circulando ininterruptamente no nosso corpo, gerando a vida. Está em tudo! O equilíbrio do Qì no nosso corpo promove a saúde e o bem-estar. Em desequilíbrio, provoca doenças. As terapias orientais visam o fluxo harmonioso do Qì pelo organismo.

YIN YANG

O Dao se manifesta através da unidade (Tai Ji), que se polariza em Yin Yang. Tudo tem o seu lado Yin e o lado Yang, que são aspectos opostos, que se complementam e, unidos, formam um fenômeno. Yin denota a sombra, o feminino, o receptivo. Yang refere-se à luz, ao masculino e ativo. Conhecemos a nossa realidade através de nossa mente, cuja visão é subjetiva e parcial diante da verdade infinita, o Dao. Se vemos a frente (Yin), não podemos ver atrás (Yang), embora a parte de trás esteja lá. Se enquadramos a visão na parte de trás, a frente desaparece.

Como princípios da existência, Yin e Yang são relativos e só podem ser considerados Yin ou Yang a partir de um determinado ponto de vista. Por exemplo, um homem é considerado Yang se compararmos a sua natureza masculina com a feminina e Yin de uma mulher. No entanto, se o homem tiver uma personalidade calma e tranqüila, esse aspecto será Yin se comparado ao de uma mulher de personalidade agressiva, Yang.

Como o dia se transforma em noite, Yin e Yang estão em constante interação, sendo que o declínio de um resulta no engrandecimento do outro. Não há como separá-los, pois juntos, formam uma unidade. É exatamente pela existência do pólo oposto que um dos pólos existe. Não existe luz sem sombra, nem bom sem ruim.

Marco Moura

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os cinco elementos

Na natureza, nada é estático: tudo segue em constante mutação interagindo entre si. Isso é percebido nos ciclos climáticos e sazonais, em cada traço de um indivíduo ou fenômeno no Universo. Para haver equilíbrio, o ciclo natural é inteligente e ordenado, tendo em cada estágio algumas propriedades e funções específicas. Os antigos chineses observaram a natureza e, a fim de aplicar o mesmo princípio para a harmonia do homem, estudaram os fenômenos classificando-os em cinco fases, ou cinco elementos.

Os cinco elementos também são chamados de cinco movimentos, pois mais do que elementos físicos, eles representam fases do fluxo da natureza. Por exemplo, o elemento Fogo representa o verão, tem característica de calor e segue após a primavera. No homem, o Fogo é a alegria; em seus órgãos, o coração e assim por diante. A seqüência dos cinco elementos segue uma ordem chamada ciclo de geração (sheng): madeira, fogo, terra, metal e água. Cada elemento gera e alimenta o seguinte, representando …

Meditando como um Meditador

Quantos daqueles que se dispõem a praticar meditação diariamente conseguem levar essa disciplina adiante? As desculpas são muitas e, de certo modo, até convincentes. Não é que as dificuldades sejam invenções, a questão é darmos mais força às dificuldades do que à prática diligente. A meditação desafia nossos padrões habituais, então é natural que precisemos nos empenhar. Muito do fracasso inicial se deve, sem dúvida, a não incorporarmos no dia-a-dia uma atitude propícia para a meditação e a não realizarmos os ajustes necessários para uma prática a longo prazo. Como assim?

Antes de mais nada, de que se trata a meditação? É um treinamento mental, correto? Uma pergunta: com essa prática, tornamos a mente mais ativa ou mais passiva? Ela trabalha mais ou trabalha menos? Gera mais ou menos pensamentos?

Consensualmente, sabemos que a ideia é que a meditação deve diminuir nossos pensamentos, logo, ela estaria diminuindo nossa atividade mental. Coerente, mas incorreto. Um dado científico: em p…

A mente cria a realidade?

A maioria de nós se vê em um cenário onde é inegável o impacto do mundo exterior na vida das pessoas, sejam exigências profissionais, competitividade, economia atribulada, compromissos difíceis de serem cumpridos, etc. Olhando o mundo ao nosso redor, vemos caos por todo lugar e a pressão sobre nós é palpável. Talvez seja difícil acreditar que a mente cria a nossa realidade, mas é isso o que nos é revelado à medida que nos tornamos mais conscientes. O mundo está sendo moldado pelas nossas mentes.

Começando do básico no que se refere ao poder da mente, sabemos pelo menos que a mente rege o nosso corpo. Tanto movimentos voluntários quanto autônomos são impulsionados pelo sistema nervoso, pelo cérebro. A mente rege o cérebro. Todo o conhecimento que o cérebro registra vem dos impulsos elétricos acionados pelos nossos órgãos sensoriais e ganha sua significação na mente. Ou seja, todo o conhecimento que temos é uma interpretação mental das nossas experiências sensoriais. O corpo é o veículo…