Pular para o conteúdo principal

Wu-Wei - A Verdadeira Ação

Um dos conceitos marcantes da filosofia do Dào de Lao Zi é o Wu-Wei (无为), traduzido como não-ação, ação sem intenção ou ação espiritual. Significa abster-se de agir por interesses egoístas para agir em uníssono com a natureza. É a atitude do dia-a-dia impulsionada pela sabedoria intuitiva, sem interferência da mente discriminatória.

Na sociedade, somos movidos a nos destacarmos dos demais, conquistarmos um padrão elevado, enquadrarmos aos costumes convencionais, consumirmos produtos luxuosos e tantas outras ações impregnadas pela impulsividade inconsciente. Incorpora-se desejos que não são mais do que a mente ilusória querendo buscar no exterior algo para suprir uma insatisfação interior. Insatisfação essa que não é inata, mas nascida da falta de discernimento. Essa é a ação do ego, produto da mente, e não uma ação pura e natural.

Se abandonarmos a mente dominadora e nos libertarmos dos desejos supérfluos do ego, o que nos move? Simplesmente acontece! Sem a ideia de um "eu" separado do todo, nos unimos à natureza e o que nos move então é a mesma força que balança as folhas das árvores e as faz dançar ao ritmo da existência. Somos movidos pelo sopro de vida. Enquanto a soberania da mente nos torna robôs automáticos, o Wu-Wei nos torna singelos, pois a verdadeira força motriz é natural e seu fluxo é harmonioso. Chove quando é hora de chover e venta quando é hora de ventar. Assim se tornam as nossas ações: simples e naturais.

Wu-Wei não é Comodismo

Não se deve confundir "não-ação" com negligência. A natureza age pela não-ação. Um tigre caça a sua presa porque é de sua natureza caçar; essa é a sua não-ação. É natural haver uma força que nos impulsiona a alcançar nossos objetivos. Se por preguiça ou comodismo deixamos de ir atrás, então o ego está agindo e deixa de ser wu-wei. A questão é fazer as coisas sem apego e sem artificialidade, aceitando o curso natural da ação.

Não há fórmulas para descobrir se devemos ou não agir. Na verdade, só existe "dever" na mente, que tenta interferir nos processos naturais. A não-ação é algo intuitivo e espontâneo, então quanto mais natural o comportamento, mais perto está da não-ação. Essa naturalidade e espontaneidade é o que muitos espiritualistas chamam de agir com o coração. Quando agimos com o coração, agimos em harmonia com o Universo e, portanto, no momento adequado. O que acontece é que muitas vezes achamos que agimos com o coração quando na verdade é a mente passional que está agindo. É comum confundir a paixão da mente com o amor do coração. Agir com o coração livre não cria expectativas, portanto o que acontecer a partir disso passa a ser aceito naturalmente. Do ponto de vista da totalidade, não há frustração.

Fazemos parte da natureza e as nossas ações trazem consequências positivas ou negativas para nós mesmos e para o meio. Temos autonomia para usarmos o nosso livre-arbítrio, mas para que o resultado seja positivo, é preciso que seja consciente. O importante de nossas ações é que possamos nos sentir em paz e felizes com nós mesmos. Quanto mais ampliamos a percepção da nossa realidade, mais nos sentimos conectados com o todo. Consequentemente, o que beneficia o mundo beneficia a nós mesmos. Pode até parecer utópico e ingênuo, mas é o que acontece quando a consciência se torna integrada. Não existe nenhum mal além do que criamos em nossas mentes e nenhuma ação que supere a virtude da não-ação.

Marco Moura

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os cinco elementos

Na natureza, nada é estático: tudo segue em constante mutação interagindo entre si. Isso é percebido nos ciclos climáticos e sazonais, em cada traço de um indivíduo ou fenômeno no Universo. Para haver equilíbrio, o ciclo natural é inteligente e ordenado, tendo em cada estágio algumas propriedades e funções específicas. Os antigos chineses observaram a natureza e, a fim de aplicar o mesmo princípio para a harmonia do homem, estudaram os fenômenos classificando-os em cinco fases, ou cinco elementos.

Os cinco elementos também são chamados de cinco movimentos, pois mais do que elementos físicos, eles representam fases do fluxo da natureza. Por exemplo, o elemento Fogo representa o verão, tem característica de calor e segue após a primavera. No homem, o Fogo é a alegria; em seus órgãos, o coração e assim por diante. A seqüência dos cinco elementos segue uma ordem chamada ciclo de geração (sheng): madeira, fogo, terra, metal e água. Cada elemento gera e alimenta o seguinte, representando …

Meditando como um Meditador

Quantos daqueles que se dispõem a praticar meditação diariamente conseguem levar essa disciplina adiante? As desculpas são muitas e, de certo modo, até convincentes. Não é que as dificuldades sejam invenções, a questão é darmos mais força às dificuldades do que à prática diligente. A meditação desafia nossos padrões habituais, então é natural que precisemos nos empenhar. Muito do fracasso inicial se deve, sem dúvida, a não incorporarmos no dia-a-dia uma atitude propícia para a meditação e a não realizarmos os ajustes necessários para uma prática a longo prazo. Como assim?

Antes de mais nada, de que se trata a meditação? É um treinamento mental, correto? Uma pergunta: com essa prática, tornamos a mente mais ativa ou mais passiva? Ela trabalha mais ou trabalha menos? Gera mais ou menos pensamentos?

Consensualmente, sabemos que a ideia é que a meditação deve diminuir nossos pensamentos, logo, ela estaria diminuindo nossa atividade mental. Coerente, mas incorreto. Um dado científico: em p…

A mente cria a realidade?

A maioria de nós se vê em um cenário onde é inegável o impacto do mundo exterior na vida das pessoas, sejam exigências profissionais, competitividade, economia atribulada, compromissos difíceis de serem cumpridos, etc. Olhando o mundo ao nosso redor, vemos caos por todo lugar e a pressão sobre nós é palpável. Talvez seja difícil acreditar que a mente cria a nossa realidade, mas é isso o que nos é revelado à medida que nos tornamos mais conscientes. O mundo está sendo moldado pelas nossas mentes.

Começando do básico no que se refere ao poder da mente, sabemos pelo menos que a mente rege o nosso corpo. Tanto movimentos voluntários quanto autônomos são impulsionados pelo sistema nervoso, pelo cérebro. A mente rege o cérebro. Todo o conhecimento que o cérebro registra vem dos impulsos elétricos acionados pelos nossos órgãos sensoriais e ganha sua significação na mente. Ou seja, todo o conhecimento que temos é uma interpretação mental das nossas experiências sensoriais. O corpo é o veículo…