Pular para o conteúdo principal

Wu-Wei - A Verdadeira Ação

Um dos conceitos marcantes da filosofia do Dào de Lao Zi é o Wu-Wei (无为), traduzido como não-ação, ação sem intenção ou ação espiritual. Significa abster-se de agir por interesses egoístas para agir em uníssono com a natureza. É a atitude do dia-a-dia impulsionada pela sabedoria intuitiva, sem interferência da mente discriminatória.

Na sociedade, somos movidos a nos destacarmos dos demais, conquistarmos um padrão elevado, enquadrarmos aos costumes convencionais, consumirmos produtos luxuosos e tantas outras ações impregnadas pela impulsividade inconsciente. Incorpora-se desejos que não são mais do que a mente ilusória querendo buscar no exterior algo para suprir uma insatisfação interior. Insatisfação essa que não é inata, mas nascida da falta de discernimento. Essa é a ação do ego, produto da mente, e não uma ação pura e natural.

Se abandonarmos a mente dominadora e nos libertarmos dos desejos supérfluos do ego, o que nos move? Simplesmente acontece! Sem a ideia de um "eu" separado do todo, nos unimos à natureza e o que nos move então é a mesma força que balança as folhas das árvores e as faz dançar ao ritmo da existência. Somos movidos pelo sopro de vida. Enquanto a soberania da mente nos torna robôs automáticos, o Wu-Wei nos torna singelos, pois a verdadeira força motriz é natural e seu fluxo é harmonioso. Chove quando é hora de chover e venta quando é hora de ventar. Assim se tornam as nossas ações: simples e naturais.

Wu-Wei não é Comodismo

Não se deve confundir "não-ação" com negligência. A natureza age pela não-ação. Um tigre caça a sua presa porque é de sua natureza caçar; essa é a sua não-ação. É natural haver uma força que nos impulsiona a alcançar nossos objetivos. Se por preguiça ou comodismo deixamos de ir atrás, então o ego está agindo e deixa de ser wu-wei. A questão é fazer as coisas sem apego e sem artificialidade, aceitando o curso natural da ação.

Não há fórmulas para descobrir se devemos ou não agir. Na verdade, só existe "dever" na mente, que tenta interferir nos processos naturais. A não-ação é algo intuitivo e espontâneo, então quanto mais natural o comportamento, mais perto está da não-ação. Essa naturalidade e espontaneidade é o que muitos espiritualistas chamam de agir com o coração. Quando agimos com o coração, agimos em harmonia com o Universo e, portanto, no momento adequado. O que acontece é que muitas vezes achamos que agimos com o coração quando na verdade é a mente passional que está agindo. É comum confundir a paixão da mente com o amor do coração. Agir com o coração livre não cria expectativas, portanto o que acontecer a partir disso passa a ser aceito naturalmente. Do ponto de vista da totalidade, não há frustração.

Fazemos parte da natureza e as nossas ações trazem consequências positivas ou negativas para nós mesmos e para o meio. Temos autonomia para usarmos o nosso livre-arbítrio, mas para que o resultado seja positivo, é preciso que seja consciente. O importante de nossas ações é que possamos nos sentir em paz e felizes com nós mesmos. Quanto mais ampliamos a percepção da nossa realidade, mais nos sentimos conectados com o todo. Consequentemente, o que beneficia o mundo beneficia a nós mesmos. Pode até parecer utópico e ingênuo, mas é o que acontece quando a consciência se torna integrada. Não existe nenhum mal além do que criamos em nossas mentes e nenhuma ação que supere a virtude da não-ação.

Marco Moura

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Encontrando o Eu Real

As respostas para todas as incógnitas de nossa existência não podem estar em outro lugar senão em nós mesmos - assim afirmam os grandes mestres da humanidade. Buscamos incessantemente soluções para as nossas aflições, mas enquanto não compreendemos a nós mesmos, todo o nosso esforço é em vão. E o que acontece na tentativa de olharmos para nós mesmos? Quais os desafios que encontramos diante da busca do despertar, diante da meditação?

Em primeiro lugar, o que significa olhar para si mesmo? Em nossa experiência, é a constatação de que em nossas mentes estão presentes emoções e pensamentos tanto agradáveis como desagradáveis; de que carregamos verdades pessoais e coletivas derivadas do nosso próprio discernimento ou aprendidas de fontes externas. A mente é um gerador de emoções e ideias. Ao seguirmos com essa observação, constatamos que na mente existe uma versão própria da realidade e que dentro dela, está nossa auto-identidade. Aquilo que eu sou, que chamo de eu, está inserido na realid…

Metta, o incondicional

Pela lei de causa e efeito, podemos reconhecer claramente o mal que criamos em nossas vidas e em nosso entorno; o sofrimento que criamos em nós mesmos e em nosso meio devido ao egoismo. Sabemos muito bem que o egoismo é o ingrediente da maldade e do sofrimento, pois faz gerar a cobiça e o ódio, forças capazes de nos fazer perder o bom senso e ferir aos outros. Admitindo esse polo do fato, fica fácil reconhecer que a prática do desapego, da tolerância, da amorosidade e da compaixão pode nos levar ao polo oposto do não-egoismo e, portanto, da liberdade e do bem estar. Com Metta (amor benevolente), podemos criar um ambiente de felicidade. Com o mínimo de clareza mental, reconhecemos tudo isso facilmente... Reconhecemos teoricamente. Faz todo o sentido, mas parece uma utopia. Não faz parte da realidade. Olhamos para nós mesmos e sabemos que somos interesseiros, astutos, maldosos, que não somos tão dignos assim. Amor incondicional passa longe de ser algo praticável. Sim, nosso sofrimento,…

Por que treinar Kung Fu?

Nos dias atuais, por mais habilidoso que um praticante de arte marcial seja, ele se torna impotente diante de uma arma de fogo. Além disso, vivemos um momento onde a violência impera em nossa sociedade, que tem se tornado cada vez mais intolerante e agressiva. Todos estão fartos de brigas e conflitos! Qual o sentido de se praticar uma arte marcial como o Kung Fu, então? Para responder a essa questão, precisamos olhar mais a fundo para o contexto que envolve essa arte milenar. Nenhum registro é preciso o bastante para indicar a origem do Kung Fu, embora se saiba da existência de técnicas de defesa pessoal na China datadas de mais de 3000 anos. Sabe-se também que ao ser incorporado no Templo Shaolin, o Kung Fu foi influenciado por técnicas meditativas, de mobilização da energia vital (qi gong) e de auto-disciplina praticadas pelos monges budistas do Templo. Em outras palavras, o Kung Fu tem um rico histórico cultural, uma tradição que atravessa dinastias e tem muito de sua filosofia pr…